Roteiro Turístico

Montemor-o-Velho. Aqui o principal protagonista da paisagem continua a ser o Rio Mondego. São dele os verdes campos férteis, propícios aos arrozais que se estendem a perder de vista, outrora alagados pelo caudal devastador do rio.
Monte-Mayor dos trovadores medievais tem a coroá-lo as ameias do seu castelo, um dos mais belos de Portugal. Uma antiga Vila cujos vestígios remontam à pré-história e que teve desde sempre uma grande importância sob o ponto de vista estratégico e económico.
.
PATRIMÓNIO ARQUITETÓNICO
• "Casa Seiscentista"
• Alcáçova Real, Palácio das Infantas
• Antigo Hospital de N. S.a de Campos e Misericórdia
• Antigo Hospital de Santa Marta
• Capela de Nossa Senhora da Conceição
• Capela de Nossa Senhora da Paz
• Capela de Nossa Senhora da Piedade
• Capela de Nossa Senhora do Desterro
• Capela de S. Sebastião / do Santo Mártir
• Capela de Santo António
• Capela do Hospital de Santa Marta
• Capela do Santo Cristo
• Capelas dos Passos
• Casa da Roda
• Casa do Despacho
• Castelo
• Celeiro do Visconde de Alverca (antigo)
• Convento de Nossa Senhora dos Anjos
• Convento de S. Luis/Quinta do Taipal
• Cruzeiro localizado no jardim público
• Cruzeiro localizado no Largo da Feira
• Cruzeiros localizados em Gatões
• Fonte localizada no Largo dos Anjos
• Hospital da Misericórdia
• Igreja da Misericórdia
• Igreja de S. Martinho (Matriz)
• Igreja de Santa Maria da Alcáçova
• Antigo Mercado Municipal
• Paços do Concelho
• Pontes do Poço da Cal
• Pórtico dos Pinas (Solar dos Pinas)
• Residência de D. Isabel de Azevedo
• Solar da família Chichorro
• Solar dos Alarcões
• Solar dos Andrades (antigo)
• Solar dos Mexias
• Teatro Ester de Carvalho / antigo Teatro Infante D. Manuel
• Igreja Paroquial de Gatões
• Capela de São Jorge - Gatões
.
PATRIMÓNIO NATURAL
.
• Paul do Taipal 
.
Situa-se na planície aluvial do Baixo Mondego, próximo à vila de Montemor-o-Velho, foi outrora ocupado pela orizicultura. Em meados da década de 1970, aquando da construção da actual Estrada Nacional nº.111, as valas de drenagem foram interrompidas, transformando este espaço numa área de alagamento, provocando o abandono da agricultura e a sua ocupação pela vegetação típica de zonas húmidas. Este paul está ocupado na sua grande maioria por caniço e por algum bunho e junco. As valas estão ocupadas por golfão-branco e o estrato arbóreo é constituído por salgueiros e amieiros.
.
Espécies mais interessantes:
abetouro, garçote, goraz, garça-vermelha, colhereiro, caimão, pisco-de-peito-azul, felosa-unicolor, felosa-dos-juncos, rouxinol-pequeno-dos-caniços, rouxinol-grande-dos-caniços
.
Outras espécies:
corvo-marinho-de-faces-brancas, garça-boieira, garça-real, frisada, marrequinha, pato-real, pato-trombeteiro, milhafre-preto, tartaranhão-ruivo-dos-pauis, açor, águia-calçada, peneireiro-vulgar, 
pernilongo, narceja-comum, bufo-real, guarda-rios, rouxinol-bravo, fuinha-dos-juncos, felosa-musical, felosa-comum, escrevedeira-dos-caniços.
.
Raridades:
pelicano-vulgar, felosa-bilistada
.
Visita:
Como a progressão no espaço do paul é difícil, pela ausência de caminhos e pelo intrincado de valas, este paul possui dois pontos de observação que abarcam toda a sua área e permanentemente disponíveis à utilização pelo público. Para atingir o primeiro ponto, desde Montemor-o-Velho deslocar-se para a Estrada  Nacional 111, e na rotunda junto ao Palácio da Justiça, tomar a estrada E579-2 em direcção a Moinho da Mata. Passados 500m, do lado esquerdo é fácil encontrar um miradouro coberto, em madeira, que serve de apoio à observação de aves. Deste ponto consegue-se abarcar a totalidade desta área húmida bem como a secção do vale do Baixo Mondego entre Montemor-o-Velho e as proximidades da Figueira da Foz, mas devido à posição elevada do local a que se encontra do caniçal e das áreas de água livre, somente as espécies de maior porte são observadas com relativa facilidade, como os patos, as garças e as aves de rapina. Deste ponto, podemos tomar uma pequena estrada em terra que nos leva a uma pedreira onde é possível observar uma colónia de peneireiro-vulgar e no inverno ouvir o bufo-real.
Para o segundo ponto de observação, devemos retornar à Estrada Nacional 111 e dirigir-nos para Figueira da Foz. Antes de cruzar o pontão que transpõe a Vala Real, próximo a um painel informativo sobre este paul, devemos tomar um caminho que nos vai levar a uma torre de observação. Deste ponto, acima do caniçal, é possível observar a entrada e saída das aves que escolhem este paul como zona de nidificação ou como dormitório, mas que têm de procurar alimento nos campos agrícolas situados no vale aluvial, como a garça-vermelha, a garça-boieira, o goraz e algumas espécies de passeriformes, como é o caso das andorinhas das chaminés, que costumam juntar-se em dormitórios constituídos por milhares de indivíduos. Facilmente também se pode observar a avifauna paludícola que frequenta o caniçal, como o garçote, a felosa-unicolor, o rouxinol-pequeno-dos-caniços e o rouxinol-grande-dos-caniços.
EUROPARADISE - Parque  Zoológico
Visitar o Europaradise é uma forma de descobrir, compreender, apreciar e protejer algumas das maravilhas deste mundo natural ameaçado. O Europaradise é um parque único no seu género, no qual através de um relaxante passeio pedestre no seio de um belo bosque mediterrânico poderá observar, enquadrados harmoniosamente, dezenas de animais do mundo inteiro. Ao longo deste percurso, com cerca de 2 km de comprimento, poderá assim descobrir e aprender mais sobre espécies de animais selvagens e domésticos, instalados num enquadramento natural e em condições de bem-estar. Pertencendo a uma zona protegida, este lugar ostenta uma vegetação diversificada de uma rara beleza, que nos esforçamos por preservar e salvaguardar...
Deste modo, para além de conhecer e observar alguns animais exóticos, poderá também ter o privilégio de estar em contacto com a flora e fauna mediterrânica, que muitos desconhecem apesar da sua proximidade... 
Para mais informações, consulte www.europaradise-park.com